quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Vila Real – cidade dos três santos populares?


Vila Real – cidade dos três santos populares?

Vindo de Lourenço Marques, Moçambique, África, realizei os estudos secundários na cidade de Vila Real, onde cresci com um olhar forasteiro e encantado pelas suas diversas tradições – algumas peculiares e únicas!

Na magnífica feira de Santo António, descobri os “pretinhos de santo antónio”, ou pretinhos da sorte… se fossem roubados! E a existência da capelinha de um Santo António dos Esquecidos…

No Bairro de Santa Margarida, vulgo Rua dos Ferreiros, festejava-se a noite de São João com o saltar de fogueiras, num ambiente mágico e como que transgressor… [o bairro era um recanto estigmatizado da cidade: quando me matriculei na Escola Preparatória Diogo Cão, vindo de uma aldeia, fui colocado na “turma dos da aldeia e do bairro dos ferreiros”, em contraponto com a “turma dos da cidade”!]

Na Feira de São Pedro, vulgo feira dos pucarinhos, um mar telúrico de peças de olaria negra de Bisalhães, aprendi a jogar ao panelo e a admirar a diversidade das artes de homens com mãos marcadas pelo barro e pelas rodas de oleiro manuais.

A minha vida de traga_mundos seguiu diversos destinos e afazeres, do Baixo Alentejo a Norddeutchland, passando pela Guiné-Bissau. Regressei a esta cidade, anos depois, e constato uma mudança na vivência actual dos três santos populares – inspirado num conceito de «mercantilização e aporia da “cultura popular”» da antropóloga Paula Godinho.

O Santo António – apesar da louvável manutenção da típica feira do gado… que passará despercebida aos condutores da cidade! –, resume-se a uma espécie de feira popular, de carrosséis eléctricos e carrinhos de choque, farturas e afins… – com uma localização absolutamente inadequada! E o desfilar de marchas similares às dos bairros alfacinhas da capital!

O São João subiu do bairro para se espalhar pelas ruas do centro histórico – uma acção que teve o seu início no Cabo de Bila por iniciativa dos seus comerciantes – e é uma noite de comes e bebes, tipo portuense, e… devidamente sentados! – curiosamente, é a única noite do ano em que a população de uma cidade capital de distrito vive as suas ruas!

O São Pedro é essencialmente uma feira de cuecas e peúgas, em saldo à meia ou à dúzia, onde os vila-realenses anualmente se abastecem! A presença da olaria negra de Bisalhães é meramente simbólica – digamos que, evocativa…

Vila Real – cidade dos três santos populares? – festa por festa, faltará importar as festas juninas brasileiras, para se candidatar à UCCLA – União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa, pois então!

António Alberto Alves
a olhar a Feira de São Pedro à porta da livraria Traga-Mundos, em Vila Real
28 de Junho de 2017

revista “Explora”, setembro 2017, página 49

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

"Quando Portugal Ardeu" na Feira do Livro do Porto 2017

apresentação do livro “Quando Portugal Ardeu” de Miguel Carvalho
com a presença do autor
dia 9 de Setembro de 2017, sábado, pelas 14h00
organização do stand n.º 105 da livraria Traga-Mundos
no Salão Independente, Biblioteca Municipal Almeida Garrett
Feira do Livro do Porto 2017, Jardins do Palácio de Cristal, no Porto


«Em “Quando Portugal Ardeu” contam-se histórias desconhecidas sobre a vida do Padre Max e os bastidores do seu assassinato, em 1976, em Vila Real.
A região de Trás-os-Montes atravessa, de resto, vários capítulos deste livro, a propósito da violência política do pós-revolução e das ramificações da rede bombista de extrema-direita.
Um dos seus principais chefes, Joaquim Ferreira Torres – assassinado em 1979 - foi presidente da Câmara de Murça.
E pela fronteira de Chaves passaram muitos conspiradores e até militares à cata de reuniões clandestinas da rede bombista.
Estas e outras histórias fazem parte deste volume de quase 600 páginas que resgata episódios esquecidos e traz à luz do dia muitos segredos dos tempos de brasa.»
MIGUEL CARVALHO, Jornalista, Revista VISÃO

«Quem foram as primeiras vítimas mortais da democracia? Por que razão foram assassinados Padre Max, Rosinda Teixeira e Joaquim Ferreira Torres? Quem protegia e que segredos escondia a rede bombista de extrema-direita? Como enfrentou o cônsul dos EUA no Porto o PREC? O que relatam os diários do norueguês baleado no Verão Quente de 1975? Como é que a Igreja mobilizou e abençoou a luta contra o comunismo? O que sabia a PJ sobre o terrorismo político e tudo o que nunca chegou a julgamento? Com recurso a centenas de documentos, entrevistas e testemunhos inéditos, esta investigação jornalística traz à luz do dia histórias secretas ou esquecidas do pós-25 de Abril. Quando Portugal ardeu e esteve à beira da guerra civil.»


António Alberto Alves
Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro
Rua Miguel Bombarda, 24 – 26 – 28 em Vila Real
2.ª, 3.ª, 5.ª, 6.ª, Sáb. das 10h00 às 20h00 e 4.ª feira das 14h00 às 23h00
259 103 113 | 935 157 323 | traga.mundos1@gmail.com

Próximos eventos:
- dia 14 de Setembro de 2017, quinta-feira, pelas 21h00: tricota_mundos noite #12, na livraria Traga-Mundos, em Vila Real, Portugal;
- dia 16 de Setembro de 2017, sábado, pelas 15h15: apresentação de “Dormir Com Lisboa” de Fausta Cardoso Pereira [II Prémio Antón Rico de Literatura Fantástica (Galiza)], organização do stand n.º 105 da livraria Traga-Mundos, no Salão Independente, Biblioteca Municipal Almeida Garrett, Feira do Livro do Porto 2017, Jardins do Palácio de Cristal, no Porto, Portugal;
- dia 16 de Setembro de 2017, sábado, pelas 17h00: participação com uma banca de livros, e mais algumas coisas e loisas, no Mercadinho da Capella, no âmbito do Projeto Capella, em Arroios, Vila Real, Portugal;
- dias 13, 14 e 15 de Outubro de 2017, sábado: participação com uma banca de livros de poesia no IV Poemagosto – Festival Internacional de Poesía en Allariz, Galiza;
- dias 1, 2 e 3 de Dezembro de 2017: participação com uma banca de livros na Culturgal – Feira das Industrias Culturais da Galiza, no Pazo da Cultura de Pontevedra, Galiza;
- e ao longo de 2017 haverá mais, sempre muito mais... 

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

na Feira do Livro do Porto 2017 - stand n.º 105


traga_mundos na Feira do Livro do Porto 2016
stand n.º 105
de 01 a 17 de Setembro de 2017
segunda a quinta: 12h00 às 21h30
sexta: 12h00 às 23h00
sábado: 11h00 às 23h00
domingo: 11h00 às 21h30
nos Jardins do Palácio de Cristal, no Porto


A livraria Traga-Mundos de Vila Real estará novamente PRESENTE na Feira do Livro do Porto 2017 – stand n.º 105 –, levando o mundo literário e cultural de Trás-os-Montes e Alto Douro, de 1 a 17 de Setembro de 2017, nos Jardins do Palácio de Cristal, no Porto – desde 2014 que participamos…

Recordamos que a Traga-Mundos é uma livraria especializada na temática de Trás-os-Montes e Alto Douro. Obras em prosa ou poesia; romances, novelas e contos; livros técnicos e revistas temáticas; álbuns infanto-juvenis e de banda-desenhada; de edições de bolso a álbuns de fotografia; de guias turísticos a cd’s e dvd’s; de edições de autor a edições de associações e outras instituições; em português e an mirandés; num esforço para se reunir e apresentar num mesmo local a riqueza cultural e literária da região de Trás-os-Montes e Alto Douro – nos dois últimos anos, João de Araújo Correia foi o autor mais vendido no stand.

A livraria foi distinguida, pelo quinto ano consecutivo, como uma das livrarias preferidas pelos portugueses, passando a ocupar a 6ª posição, em 2017, por um concurso de votação online promovido pela APEL – Associação Portuguesa de Editores e Livreiros. Em 2014 a traga_mundos obteve o 6.º lugar, em 2015 o 4.º lugar e em 2016 o 5.º lugar, mantendo-se como a livraria mais votada a Norte, de Trás-os-Montes e Alto Douro à Galiza – somando votos também no Brasil, na Guiné-Bissau, em Cabo Verde.

A livraria Traga-Mundos encontra-se localizada em Vila Real, capital da região de Trás-os-Montes e Alto Douro desde 5 de Novembro de 2011 e ao longo destes anos temos levado bancadas de livros a diversas localidades da região, incluindo as regiões transfronteiriças – até hoje, contabilizamos mais de 100 bancas de livros (Vila Real, Chaves, Murça, Sanfins do Douro, Atenor, Campos de Jales, Porto, Miranda do Douro, Justes, Pedras Salgadas, Corunha, Varge, Cambridge, Allariz, Sabrosa, Amarante, Morille, Carviçais, Valongo de Milhais, Pontevedra, Mêda, Arroios, Bragança, Vilar de Santos, Peso da Régua, Monforte de Lemos, Braga, Palaçoulo). Levamos bancas de livros aonde podemos, e para onde somos convidados: seminários, feiras, congressos, jornadas, escolas, teatros, bibliotecas, etc - por vezes, até as mesas levamos...

Com e pela Galiza, temos organizado e participado em algumas iniciativas. É no âmbito da Cultura Que Une – um conjunto de associações, fundações, empresas, particulares, criada com o objectivo de «articular accións e intervencións socio-culturais de base, creando unha rede que fomente a colaboración Galiza-Norte de Portugal – que temos aprofundado melhor esta articulação e colaboração, nomeadamente com a realização dos Actos da Cultura Galega-Portuguesa – em 2015, entre Amarante e a Corunha, em 2016, entre Vila Real e Pontevedra e, em 2017, entre Peso da Régua (Douro Vinhateiro) e Monforte de Lemos (Ribeira Sacra). Foi neste âmbito que participamos no stand da Cultura Que Une na Culturgal em 2014, 2015 e 2016.

[para mais informações ver www.traga-mundos.blogspot.com e página Traga-Mundos no Facebook]

Para a Feira do Livro do Porto este ano iremos incluir duas componentes, em resultado de iniciativas que temos vindo a desenvolver ao longo de quase 6 anos de existência:

1. iremos disponibilizar diversas obras em língua mirandesa; em prosa ou poesia; romances, novelas e contos; livros técnicos e actas de congressos; álbuns infanto-juvenis; algumas bi-lingues (na mirandés e em português); de edições de autor a edições de associações e outras instituições – neste momento, seremos a livraria que mais títulos em língua mirandesa temos disponíveis.

2. iremos disponibilizar algumas obras e autores da Galiza, numa tentativa de se reiniciar a divulgação e promoção da cultura irmã no Norte de Portugal – procurando retribuir o acolhimento fraterno que a traga_mundos tem sentido ao longo de mais de quatro anos de iniciativas de intercâmbio, nomeadamente no âmbito da Cultura Que Une.

Nota: esta iniciativa não tem qualquer apoio das entidades responsáveis pela cultura, turismo, fundações, comércio, empresas, imprensa, empreendorismo e afins, na cidade de Vila Real e na região de Trás-os-Montes e Alto Douro. 


Visite(-nos),
e traga um amig@ também...


 António Alberto Alves
Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro
Rua Miguel Bombarda, 24 – 26 – 28 em Vila Real
2.ª, 3.ª, 5.ª, 6.ª, Sáb. das 10h00 às 20h00 e 4.ª feira das 14h00 às 23h00
259 103 113 | 935 157 323 | traga.mundos1@gmail.com

Próximos eventos:
- dia 14 de Setembro de 2017, quinta-feira, pelas 21h00: tricota_mundos noite #12, na livraria Traga-Mundos, em Vila Real, Portugal;
- dia 16 de Setembro de 2017, sábado, pelas 17h00: participação com uma banca de livros, e mais algumas coisas e loisas, no Mercadinho da Capella, no âmbito do Projeto Capella, em Arroios, Vila Real;
- dias 13, 14 e 15 de Outubro de 2017, sábado: participação com uma banca de livros de poesia no IV Poemagosto – Festival Internacional de Poesía en Allariz, Galiza;
- dias 1, 2 e 3 de Dezembro de 2017: participação com uma banca de livros na Culturgal – Feira das Industrias Culturais da Galiza, no Pazo da Cultura de Pontevedra, Galiza;
- e ao longo de 2017 haverá mais, sempre muito mais...

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Hotel do Norte


“Hotel do Norte” de Rui Ângelo Araújo

«Em 1975, de norte a sul do país, vários hotéis foram requisitados para acolher a vaga de retornados e refugiados das ex-colónias. O Hotel do Norte, na estância termal de Fonte da Moura, foi um deles.

Durante cerca de um ano, Walter, Delfina e Beirão tiveram um intervalo nas suas vidas. Tudo o que estava para trás se perdera, mas no Hotel do Norte nada parecia avançar, nenhuma outra vida se anunciava, como se o edifício e o parque onde ele se erguia fossem uma cápsula, uma redoma que apenas permitia um quotidiano fechado e sem progressos.

Walter sabe que um dia terá de procurar uma nova vida e deixar aquele lugar, mas os arquivos do hotel exercem sobre ele um fascínio que o impede de pensar no mundo lá fora. Quando descobre a intrigante Catarina, que habita os anos quarenta do século XX, envereda por uma investigação detectivesca através da história e do rasto ténue que os antigos hóspedes deixaram.

No desaparecido Hotel do Norte cruzam-se três épocas, e quem hoje é chamado a revisitar o local vê-se enredado em combinações de realidade e ficção, memória e fantasia, verdade e mentira.»

Disponível na Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro em Vila Real... | Traga-Mundos – lhibros i binos, cousas i lhoisas de l Douro an Bila Rial...
[também disponível do autor o título: “Os Idiotas” e “A Origem do Ódio – Crónica de um Retiro Sentimental”]


terça-feira, 15 de agosto de 2017

Poemagosto - Festival Internacional de Poesia em Allariz



A livraria Traga-Mundos foi convidada para participar com uma banca de livros, sobretudo de POESIA, e mais algumas coisas e loisas, no IV Poemagosto – Festival Internacional de Poesia em Allariz, nos dias 13 (sexta-feira), 14 (sábado) e 15 (domingo) de Outubro de 2017, sábado, em Allariz, Galiza. [recordamos que participamos há três edições, desde a primeira…]


segunda-feira, 14 de agosto de 2017

sábado, 12 de agosto de 2017

Mercadinho da Capella #8, Arroios


A livraria Traga-Mundos foi convidada para participar com uma banca de livros, e mais algumas coisas e loisas, no Mercadinho da Capella #8 – «edição especial 2017», que irá decorrer no dia 19 de Agosto de 2017, sábado, a partir das 17h00, no âmbito do Projeto Capella, em Arroios, Vila Real.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

O Douro – um olhar diferente


“O Douro – um olhar diferente” de António Augusto Ribeiro

«Trata-se dum trabalho que privilegia o património religioso, um tanto ou quanto esquecido e ou abandonado, na vertente dos cruzeiros e alminhas, na Região Demarcada do Douro.

O DOURO - um olhar diferente é uma viagem pelos 21 municípios, integrados nos quatro distritos  e cinco dioceses, que constituem a Região Demarcada do Douro...» AARibeiro

Disponível na Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro em Vila Real... | Traga-Mundos – lhibros i binos, cousas i lhoisas de l Douro an Bila Rial...
[também disponível os seguintes títulos: "Os Cruzeiros da Diocese de Vila Real" João Parente e “As ‘Alminhas’ na Diocese de Vila Real” de João Parente]

sábado, 5 de agosto de 2017

16.ª Feira do Mel e Artesanato, Pedras Salgadas


A Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro em Vila Real, irá participar pelo quarto ano consecutivo com uma banca de livros, mais algumas coisas e loisas, na 15.ª Feira do Mel e Artesanato, que acontecerá nos dias 12 (sábado), 13 (domingo), 14 (segunda-feira) e 15 (terça-feira) em Pedras Salgadas, Vila Pouca de Aguiar.

«Evento de cariz cultural e económico, realizado no Parque Termal de Pedras Salgadas, destinado a realçar a produção de mel e artesanato do concelho, contando com a presença de um grande número de apicultores e artesões regionais. Visitado por pessoas de todo o país, verifica grande afluência. Privilegiam-se, na sua programação, espetáculos de música popular portuguesa. Os concursos de mel (qualidade do mel e rótulos), de doçaria confecionada com mel e de peças de artesanato, são momentos bastante concorridos e animados.»

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

traga_mundos: foi há 6 anos...


FOI HÁ 6 ANOS...

Foi há seis anos, no dia 2 de Agosto de 2011, que reabri actividade em Portugal, registando nas Finanças de Vila Real a Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro – Património Mundial, tendo como actividade principal a de livraria.

Chegara a 21 de Maio, no seguimento de trabalho voluntário de quase cinco anos na promoção da Língua Portuguesa em Canchungo e na Região de Cacheu, na Guiné-Bissau, e de imediato me vi confrontado com a total ineficácia do Centro de Emprego local. Optei então por fazer avançar um projecto – e sonho – que tinha reservado apenas para o que se designa como “o tempo de reforma”: abrir um espaço multi-cultural de livraria e/ou alfarrabista. Em dois meses, (re)visitei a oferta de livrarias, também em diversas cidades, estudei catálogos de editoras, procurei lojas em Vila Real, iniciei contactos, etc. Sobretudo, dei um nome à iniciativa, criei o logotipo e redigi o seguinte conceito orientador – que se foi apurando:

«queremos construir uma referência quando se pensa na região de Trás-os-Montes, nomeadamente do Alto Douro Vinhateiro, seus autores e cultura, vinhos e tradições, produtos e artesanato...».

A 5 de Novembro de 2011 abri a porta da Traga-Mundos na rua Miguel Bombarda, 24 – 26 – 28, na zona histórica da cidade e entre comércio tradicional, no espaço onde durante muitos anos esteve a notável Livraria Setentrião.

Estamos a montar um espaço com diversos nichos de interesse...

Uma livraria especializada na temática do Douro, incluindo álbuns de edição cuidada e guias (turísticos, vinhos, vinhos do porto, quintas, castas, etc)...
Onde estão presentes os autores locais e regionais com projecção nacional e universal –  A.M. Pires Cabral, António Cabral, João de Araújo Correia, Miguel Torga, Otílio Figueiredo, etc...
Obras em prosa ou poesia; romances, novelas e contos; livros técnicos e revistas temáticas; álbuns infanto-juvenis e de banda-desenhada; de edições de bolso a álbuns de fotografia; de guias turísticos a cd’s e dvd’s; de edições de autor a edições de associações e outras instituições; em português e an mirandés; num esforço para se reunir e apresentar num mesmo local a riqueza cultural e literária da região de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Uma loja de vinhos do Douro, desde o vinho generoso – também denominado do Porto – ao vinho moscatel, com exemplares de aguardentes velhas. Iremos disponibilizar edições de 10, 20, 30 e mais de 40 anos, bem como LBV e Vintage...
Proporcionamos igualmente brancos e tintos, reservas e outras delicadezas, de produtores particulares da região – que não se encontram nos hipermercados...

Uma loja de mercearia fina: de compotas a ervas aromáticas, de chás a licores, de mel a frutos secos, de sabonetes naturais a azeite extra virgem, privilegiando produtos da agricultura local, familiar e tradicional...

Uma loja de artesanato, desde a olaria negra de Bisalhães a cutelaria, das máscaras a instrumentos de manufactura tradicional, da latoaria a outros artefactos...

Um local onde poderá igualmente encontrar informação turística, sobre eventos, romarias, restauração, alojamento, percursos, museus, igrejas e capelas, parques naturais, etc...

Um espaço de galeria de exposições (pintura, fotografia, escultura, cerâmica, artesanato, etc). Um espaço de diversos eventos (apresentações de livros, tertúlias temáticas, workshops, ateliers, oficinas, etc). Cuja porta é local de encontro e partida para um passeio pedestre ou de uma visita pela região. Um espaço onde simplesmente se está bem – por exemplo, confortavelmente no sofá vermelho!»

[para mais informações ver www.traga-mundos.blogspot.com e página Traga-Mundos no Facebook]

A todos vocês, amigos e familiares, clientes e produtores, escritores e artesãos, livreiros e editores, o nosso muito muito obrigado pelo apoio e interesse ao longo de todo este tempo – que é o que nos faz continuar, teimar, persistir...

António Alberto Alves
2 de Agosto de 2017


Nota: continuamos sem qualquer apoio das entidades responsáveis pela cultura, turismo, comércio, empresas, imprensa, empreendorismo e afins, na cidade de Vila Real e na região de Trás-os-Montes e Alto Douro.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Máscara de Careto do Corocho


Máscara de Careto do Corocho
Constantim, Miranda do Douro, Bragança

fabrico artesanal, em cerâmica,
pintado à mão
tamanho 30 x 20 cm (tamanho de um rosto adulto)

Disponível na Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro em Vila Real... | Traga-Mundos –lhibros i binos, cousas i lhoisas de l Douro an Bila Rial... [também disponível em versão miniatura íman e boneco]


sexta-feira, 28 de julho de 2017

Mirandela, outros falares


“Mirandela, Outros Falares” de Jorge Lage

Um livro que interessa a toda a região trasmontana e alto duriense e beira trasmontana.

Quer saber o que pensa o escritor J. Rentes de Carvalho da língua portuguesa?
Quer descobrir de que raça bovina são os olhos mais belos?
Tem a imagem de um burro com as cangalhas e cântaros de água?
Conhece a «aldeia bordada de xisto»?
Conhece mesmo a história da Senhora da Ribeira ou da Senhora da Serra?
Descubra e observa uma tarara.
Era capaz de recriar a «Encomendação das almas»?
Conhece a história da alheira ou fica-se mais pela fantasia?
Prefere beber «aur» ou água?
Descubra a «Berroa» na vila da Torre!
Os «Minhotaços» pertencem a que província ou região?
Como é que um filósofo me classifica uma giesta enquanto os biólogos e botânicos deixavam no ar alguma dúvida?



Disponível na Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro em Vila Real... | Traga-Mundos – lhibros i binos, cousas i lhoisas de l Douro an Bila Rial...
[também disponível do autor os seguintes títulos: “Falares de Mirandela – um complemento do Mirandelês”; “Castanea – uma dádiva dos deuses”, “Memórias da Maria Castanha” - vocabulário, variedades de castanhas, expressões, provérbios, receitas tradicionais e outros saberes etnográficos do castanheiro, “Maria Castanha – Outras Memórias”]

quarta-feira, 26 de julho de 2017

"As Artes Entre As Letras" 8 anos 200 números


NOVIDADE: à venda também na livraria Traga-Mundos em Vila Real.

"As Artes Entre As Letras" | n.º 200 | 26 de Julho de 2017 | quinzenalmente às quartas | 2,00 euros

8 anos – 200 números

Disponível na Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro em Vila Real... | Traga-Mundos – lhibros i binos, cousas i lhoisas de l Douro an Bila Rial...

domingo, 23 de julho de 2017

traga_mundos L Burro I L Gueiteiro


A livraria Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro em Vila Real, foi convidada para participar com uma banca de livros, mais algumas coisas e loisas, no L Burro I L Gueiteiro – Festival Itinerante de Cultura Tradicional, de 26 a 30 de Julho de 2017, pelas aldeias de São Pedro da Silva, Águas Vivas e Palaçoulo, no concelho de Miranda do Douro, Portugal.


«O Festival Itinerante da Cultura Tradicional L Burro I L Gueiteiro surge como um esforço de revitalizar e valorizar dois elementos chave da cultura mirandesa – o Burro de Miranda e o tocador de Gaita-de-Fole -, bem como enfatizar a relação tradicional existente entre ambos – era o primeiro quem transportava o segundo até aos arraiais que este ia animar pelas diferentes aldeias do Planalto Mirandês. Assim, este Festival planeado ao longo de meses toma forma em 5 dias de itinerância pelas aldeias de Miranda, levando burros, gaiteiros, teatro, dança e música ao encontro das populações locais, geralmente desprovidas deste tipo de evento cultural.

Este Festival caracteriza-se ainda por ter uma dupla missão: mostrar o melhor do Planalto Mirandês e quebrar, ao mesmo tempo, o estereótipo de uma cultura parada no tempo. Bem pelo contrário, acreditamos que está em constante transformação e que temos, por isso mesmo, a responsabilidade de contribuir com actividades criativas e de qualidade que a estimulem. Isso significa trazer pedaços de outras culturas, mas também repensar o contacto com o que é de cá, e que continuamos a privilegiar.

É um evento a pensar em todos - miúdos e graúdos – os que gostam de caminhadas por percursos bonitos, de refeições apetitosas, de sestas burriqueiras, de oficinas instrutivas, de boa música e de muita festa.



sábado, 22 de julho de 2017

tricota_mundos: tricot & poesia, noite #10

cartaz de Sofia Rocha e Silva

tricota_mundos: tricot & poesia, noite #10

gosta de poesia? gosta de tricot? gosta de tricot ou de poesia? gosta de poesia & tricot?
junta-se a nós para uma noite sentad@ entre tricotadeir@s e/ou leitores (declamadores) de poesia – pelo colectivo Calhau

as leituras serão da obra “Victorianas” de Marília Miranda Lopes

«Em "Vitorianas", Marília Miranda Lopes, transporta o leitor até ao século XIX, imergindo com subtileza num dos aspetos mais intrigantes da sociedade da época: a condição feminina. Uso o termo "condição" não no intuito tendencioso de exprimir uma contenda ou imposição. Na realidade, o espaço do feminino é em qualquer época um espaço plenificado e complexo que não se pode reduzir a uma questão exclusiva do género sem que nela estejam presentes análises sociológicas, culturais e espácio-temporais.O olhar da autora é contudo empático com a reinterpretação dos papéis de género: os seus deveres e obrigações, contributos e expectativas." "Ao longo desta obra vamos conhecendo as várias Victorianas: as que escrevem à máquina, as que arranjam os cabelos, aquelas de vida mesquinha ("Nas vossas amesquinhadas vidas, senhoritas"), os brocados, os cristais e as renda. A sexualidade: a que se utiliza, a que se disfarça e a que se finge disfarçar.» Sara F. Costa

As Victorianas constituem assim “também, uma singela homenagem às mulheres revolucionárias / libertárias que defenderam (no século XIX e princípio do século XX) a justiça, a liberdade e a igualdade de direitos sociais, políticos e culturais.”



António Alberto Alves
Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro
Rua Miguel Bombarda, 24 – 26 – 28 em Vila Real
2.ª, 3.ª, 5.ª, 6.ª, Sáb. das 10h00 às 20h00 e 4.ª feira das 14h00 às 23h00
259 103 113 | 935 157 323 | traga.mundos1@gmail.com

Próximos eventos:
- Julho e Agosto de 2017: “Povo da Erva” exposição de fotografias de Rui Miguel Félix, na livraria Traga-Mundos, em Vila Real, Portugal;
dias 26, 27, 28, 29 e 30 de Julho de 2017: participação com uma banca de livros, mais algumas coisas e loisas, no L Burro I L Gueiteiro – Festival Itinerante de Cultura Tradicional, pelas aldeias de São Pedro da Silva, Águas Vivas e Palaçoulo, no concelho de Miranda do Douro, Portugal;
- dias 12, 13, 14 e 15 de Agosto de 2017: participação com uma banca de livros, e mais algumas coisas e loisas, na Feira do Mel e do Artesanato, em Pedras Salgadas, Vila Pouca de Aguiar;
- dia 19 de Agosto de 2017, sábado, pelas 17h00: participação com uma banca de livros, e mais algumas coisas e loisas, no Mercadinho da Capella, no âmbito do Projeto Capella, em Arroios, Vila Real;
- de 1 a 17 de Setembro de 2017: participação com stand na Feira do Livro do Porto 2016, nos jardins do Palácio de Cristal, no Porto;
- dia 16 de Setembro de 2017, sábado, pelas 17h00: participação com uma banca de livros, e mais algumas coisas e loisas, no Mercadinho da Capella, no âmbito do Projeto Capella, em Arroios, Vila Real;
- dias 13, 14 e 15 de Outubro de 2017, sábado: participação com uma banca de livros de poesia no IV Poemagosto – Festival Internacional de Poesía en Allariz, Galiza;
- dias 1, 2 e 3 de Dezembro de 2017: participação com uma banca de livros na Culturgal – Feira das Industrias Culturais da Galiza, no Pazo da Cultura de Pontevedra, Galiza;
- e ao longo de 2017 haverá mais, sempre muito mais...

sábado, 15 de julho de 2017

Oficinas de iniciação ao crochet e tricot - aumentos, diminuições e pontos rendados





De manhã vem aprender os básicos do tricot ou do crochet com estas duas fantásticas oficinas de iniciação. De tarde vamos aprender a fazer aumentos e diminuições também usando uma destas fantásticas técnicas! Cada oficina tem o investimento de 30€ (já com materiais) mas se te inscreveres numa de manhã e noutra de tarde o valor total será de apenas 50€. Aparece para partilharmos um dia em cheio!





sexta-feira, 14 de julho de 2017

traga_mundos zen


A livraria Traga-Mundos foi convidada para participar com uma banca de livros, e mais algumas coisas e loisas, no Vila Real Zen, dias 22 (sábado) e 23 (domingo) de Julho de 2016, no Jardim da Carreira, em Vila Real, Portugal.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

O Seringador - para 2018


“O Seringador T” reportório crítico-jocoso e prognóstico diário para 2018
(e 153.º ano da sua publicação)
1865-2018
fundado por João Manuel Fernandes de Magalhães

4
E a malta que anda à espera,
Que os astros e a atmosfera,
Deem uma certa ajuda.
Vão seringando os legumes,
Com fluxos de queixumes,
Mas mesmo assim nada muda.



Almanaque de grande tradição, muito ligado à agricultura e à astrologia na sua vertente relativa às condições climáticas relevantes para as actividades humanas. Muito completo na elencagem das feiras e mercados do país, bem como nas datas associadas a eventos de utilidade  pública. Em jeito de editorial, apresenta o "Juizo do Ano" e termina com o espaço habitual de entrevista bem humorada. De realçar a importância dada à dita "Cultura", com um espaço de poesia logo na capa.
À venda nas boas livrarias [Coisas Avulso]

Disponível na Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro em Vila Real... | Traga-Mundos – lhibros i binos, cousas i lhoisas de l Douro an Bila Rial...

quarta-feira, 12 de julho de 2017

As Artes Entre As Letras


NOVIDADE: a partir de hoje à venda também na livraria Traga-Mundos em Vila Real.

"As Artes Entre As Letras" | n.º 198 / 199 | 12 de Julho de 2017 | quinzenalmente às quartas | 2,00 euros

«“As Artes entre As Letras” é um jornal quinzenal que nasce em Maio de 2009 para florir entre debates de ideias, da História e do Património, das Artes Plásticas e da Arquitectura, da Música e da Ciência, da Filosofia e da Literatura, do Teatro e do Cinema, da Dança e da Fotografia, mas também da Lusofonia e do Ensino e Educação. São estes os nossos pilares, que assumimos sem preconceitos como jornal livre e independente. Sem complexos haverá lugar para a opinião e para a crítica, no respeito pela liberdade de expressão, mas também pelos códigos da Ética e da Deontologia jornalísticas. A Cultura é o nosso meio e o nosso fim, privilegiando a informação que escasseia ou é inexistente na imprensa portuguesa. Propomo-nos contribuir para o desenvolvimento cultural do nosso País através da palavra escrita e da imagem impressa. Somos um projecto jornalístico cultural mas também cívico, na convicção de que Cultura e Cidadania devem caminhar a par. Faremos do passado o nosso futuro, num exercício permanente de criatividade e de inovação sem perder o vínculo às nossas raízes.
Lusofonia - nossa Mátria
Portugal - nossa Pátria
Cultura – nosso Mundo
Porto – nosso berço Porto,
27 de Maio de 2009» Estatuto Editorial

domingo, 9 de julho de 2017

azeitoneira sardinha galo


azeitoneira sardinha galo

«Porque é que os pratos de aperitivos têm de ser sempre sérios? Originais e elegantes, estas azeitoneiras irão sobressair em qualquer mesa e surpreender as suas visitas. São inspiradas na lenda do Galo de Barcelos. Feitas em cerâmica e decoradas com decalque de alta temperatura resistente à máquina de lavar loiça, estas peças estão embaladas individualmente numa bonita caixa ecológica em papel kraft.»

Disponível na Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro em Vila Real... | Traga-Mundos – lhibros i binos, cousas i lhoisas de l Douro an Bila Rial...


quinta-feira, 6 de julho de 2017

Traga-Mundos: uma referência cultural no coração da cidade


«Traga-Mundos: uma referência cultural no coração da cidade

Com quase seis anos de existência, a livraria Traga-Mundos, sediada no coração da cidade de Vila Real, mantém o mesmo espírito e vontade cultural com que abriu, em 2011, continuando, ano após ano, a levar toda a cultura transmontana e duriense não apenas por Portugal fora, mas também para além-fronteiras.

A livraria acaba de ser distinguida, pelo quinto ano consecutivo, como uma das livrarias preferidas pelos portugueses, passando a ocupar a 6ª posição, em 2017, por um concurso de votação online promovido pela APEL – Associação Portuguesa de Editores e Livreiros.

A Traga-Mundos é o realizar de um sonho de criança, do livreiro António Alberto Alves, que, desde cedo, se demonstrou extremamente sensível ao mundo relacionado com a cultura e a literatura. No entanto, esse sonho estava apenas agendado para quando se reformasse, mas a falta de uma oportunidade, em Vila Real, que lhe permitisse seguir com a sua profissão, enquanto sociólogo, fez com que António apostasse neste projeto mais cedo. “Eu já tinha na mente em abrir uma loja. Optei por uma livraria porque era um sonho que tinha quando me aposentasse, mas o centro de emprego reformou-me mais cedo. A livraria foi sempre um sonho que tive, sobretudo, pelo gosto que adquiri pelos alfarrabistas”.

António Alberto Alves nasceu em Moçambique, em Lourenço Marques, e só depois do 25 de Abril é que regressa à aldeia dos seus pais, onde conclui a escola primária. Mais tarde vem estudar para a cidade de Vila Real, e após terminar o secundário, ingressa na faculdade, em Lisboa, para estudar Sociologia. As suas motivações foram sempre altas, pelo que decide imigrar para a Alemanha, onde esteve cerca de cinco anos. Lá fundou uma associação da Língua Portuguesa e abriu uma loja com o intuito de promover a cultura portuguesa.

Posteriormente, segue numa missão como voluntário para África, onde permaneceu cinco anos, e, em março de 2011, acaba por regressar a Portugal. Onde faz jus ao seu espírito aventureiro e, sem perder tempo, regista em agosto o conceito de Traga-Mundos, e em novembro abre portas a um novo mundo, ainda por explorar em Vila Real, na Rua Miguel Bombarda.

A livraria não tem como propósito, única e exclusivamente, a venda de livros. “Somos uma livraria que não estamos aqui apenas de porta aberta, vamos aonde as pessoas estão, vamos a eventos, fazemos bancadas em feiras, em seminários e promovemos, também, a realização de tertúlias temáticas que não tem que ter necessariamente a ver com a literatura, mas também com toda a diversidade cultural que esta região oferece,” apontou António Alves.

O espaço tem desempenhado um papel fulcral no que respeita à divulgação da poesia e de novos poetas, sobretudo, transmontanos. Há quase dois anos que nascera, da “cave” da livraria, um movimento literário, constituído por jovens escritores, com a missão de “fazerem apresentações de livros que não fossem meras apresentações formais, mas que as pessoas interviessem e que partilhassem leituras e textos, que pudessem resultar em tertúlias, entre amigos e poetas,” salienta. Contudo, a atividade cultural da livraria não se resume apenas a este grupo, o Calhau, mas também a um conjunto de pessoas relacionadas, não apenas à literatura, mas também à parte da botânica, da gastronomia e da natureza em geral. “Os eventos não se destinam unicamente à apresentação de livros, que era o que seria normal numa livraria, mas sobretudo a tertúlias temáticas, a apresentações de compotas, de mel, a workshops, ou seja, a tudo que esteja relacionado com a parte da cultura transmontana e duriense”, refere.

Além do importante papel que a Traga-Mundos tem desenvolvido, nos últimos anos, na divulgação e na valorização da cultura transmontana, a livraria estabelece, ainda, uma forte relação cultural, mas também de amizade, com a Galiza. Muito por fruto da influência do célebre poeta António Cabral, ligado ao movimento setentrião, que por sua vez se encontra relacionado com o antigo local da livraria, a Traga-Mundos construiu, entre o norte de Portugal e a Galiza, “uma ponte escrita”.

Esta constante atividade cultural desenvolvida, ao longo dos anos, pela Traga-Mundos é reconhecida pelos resultados que a livraria tem vindo a alcançar, ano após ano, em se manter, consecutivamente, nas primeiras seis posições das livrarias portuguesas preferidas pelos portugueses.»

João Pedro Baptista, “A Voz de Trás-os-Montes” n.º 3478, 06 de Julho 2017